Deslize para o lado para
acessar o conteúdo da revista

EDITORIAL

Março ganha contornos especiais em comemoração à mulher. Há quem diga que o Dia da Mulher é todo dia e outros que refletem que não há o que comemorar e sim o que se lamentar. Acompanhamos divulgações de pesquisas sobre a posição da mulher na sociedade atual, assim como protestos, passeatas e também ações comerciais com apelo da valorização do gênero feminino.

Neste mesmo mês de março, acompanhamos atônitos o dia a dia de uma guerra por território, relevância e poder, assim como conflitos por questões religiosas, geopolíticas e raciais.

Para além de todas essas questões, continuamos a luta contra o vírus da COVID-19, que se transforma e multiplica.

Prezado leitor, antes que a sua (e a minha) ansiedade comece a dar sinais de vida, pare. Respire. Com calma. Agora reflita comigo: Se tirarmos todas as camadas que nos envolve – sociais, de gênero, de raça, econômicas, política, de credo – o que nos sobra? Ficamos todos mais parecidos, não é? É este ser, é esta pessoa que realmente importa.

É necessário sempre buscar a dicotomia? Positivo e negativo? Sim e não? Feminino e masculino? Maior e menor? Fraco e forte?

Não. Não precisa. Nós somos seres humanos, pertencemos a uma mesma aldeia global e compartilhamos o mesmo planeta.

Li que o princípio do bem comum tem uma dimensão ética: a de mudar o foco no ser humano individual e concreto para pensar no interesse da sociedade e em seu conjunto. Acredito que a busca do bem comum deveria ser a tônica. Talvez isso contribua para minorar diferenças e conflitos. Essa edição da P. B. News demonstra como temos buscado esse ideal.

Boa leitura.




Daniela de Andrade Lopes Gomes
Diretora da Rede P. B. Lopes

OPINIÃO DO LEITOR

IMPRESSIONADA
“Que coisa mais linda a revista. A arte e o texto são perfeitos. Fiquei impressionada, parabéns pelo trabalho maravilhoso.”
FÁTIMA CRISTINA LUCAS DE SOUZA
Coord. Pedag. Programa Florescer, Maringá (PR)

VENCER
“Parabéns pelo contínuo sucesso da empresa e por dar andamento num projeto e num ideal que jamais vou esquecer: VENCER.VENCER e VENCER.”
JEFERSON BERNARDES
Ex-P.B. Lopes, empresário, Ourinhos (SP)

RI E CHOREI
“Amei a revista. Ri, chorei, lembrei muito da sua avó (Dona Amélia Barbosa Lopes), minha grande amiga. Revi Ourinhos onde nasci, com a Marvi, distribuidora de sorvetes, adorei a maneira do Pedro mudar o nome da empresa. Obrigada por dividir comigo todo trabalho de vocês.”
LENINHA E FUAD BAUAB
Empresários aposentados e amigos da família desde os tempos de Dona Amélia e José Lopez Lopez, Londrina (PR)

EXCELENTE
“A revista continua excelente, principalmente na parte gráfica/visual/estética. Parabéns e que continuem firme nesse propósito!”
CARLOS KUBO
Artista plástico, Londrina (PR)

HOMENAGEM
“Estou passando para agradecer a homenagem pelo nascimento de nossa filha Giovana na revista PBNews. Muito obrigado, ficamos felizes! A revista toda é fantástica. Leitura é cativante.”
RODRIGO OLIVOTO
Gerente de consórcios Scania do Brasil, São Paulo (SP)

JÁ COMPARTILHEI
“As matérias desta revista estão ótimas, como sempre! Já compartilhei no grupo da família!”
PATRÍCIA BELMONTE
Assistente Comercial P. B. Lopes Maringá (PR)

AGRADÁVEL
“Achei muito ilustrativa e agradável. Excelente trabalho. Parabéns.”
ILMA ZANONI
Ex-Irmãos Lopes e P. B. Lopes, Londrina (PR)

MOTIVADOR
“Muito obrigado por me enviar esse material. Ótimo e motivador.”
ALEXANDER RIBEIRO
Empresário, São Paulo (SP)

CONTEÚDO
“Muito interessante! Agradeço pelo conteúdo!”
DAVI ESIQUIEL NANTES PIMENTA
Empresário, Campo Grande (MS)

FÁCIL ACESSO
“Leitura muito agradável. Gostei muito de poder acessar e ler a qualquer momento e em qualquer lugar. Além da variedade de assuntos, que instiga a leitura.”
ANA CLAUDIA LEÃO
Empresária, Londrina (PR)

MARÇO LILÁS

A Campanha Março Lilás tem como objetivo a prevenção e o combate ao câncer de colo uterino, o terceiro tumor maligno mais frequente na população feminina, e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil. A principal forma de prevenção é a vacina contra o HPV (disponível para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos), o uso de preservativos, e o exame preventivo feito periodicamente.

CLIQUE AQUI

SAIBA MAIS SOBRE O MARÇO LILÁS

ESPECIAL

Com presença e liderança marcantes, as mulheres conquistaram espaço e respeito em um segmento majoritariamente masculino. Em comemoração ao Mês da Mulher, apresentamos quatro exemplos de mulheres que se dedicam ao setor e que juntas trazem um elemento em comum: a realização profissional

Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), no ano de 2019, sobre o perfil do caminhoneiro, apontou que 99,5% dos motoristas eram homens e as mulheres representavam apenas 0,5% do setor. De fato, o que se vê nas estradas é a predominante presença masculina, mas aos poucos é possível observar que as mulheres estão ganhando destaque nesta pequena fatia do segmento e não somente na boleia do caminhão, mas em oficinas mecânicas, cargos de gestão e no comando de empresas.

Para ampliar a diversidade no quadro de funcionários, as transportadoras estão imprimindo esforços para a contratação de mulheres. É o caso da Transtrem Transportes, situada em Maringá (PR), que conta com quatro mulheres motoristas, entre elas Janaína Ferraz Mendes, paraense de Parauapebas que não esconde a paixão pelo caminhão.

“No Pará, eu trabalhava em uma mineradora e lá fui operadora de infraestrutura, conduzindo patrol e trator. Nesse período, eu vi um caminhão pesado e decidi: se um homem dirige isso, eu também posso”.

Janaína perseguiu seu sonho mudando de cidade e de região, até que em Maringá (PR) encontrou a sua chance.

“Aqui eu dirigi guincho, depois um truck com um antigo namorado, até aparecer uma oportunidade de conduzir um caminhão sozinha. Na Transtrem, sou eu, Deus e o caminhão. No caminhão eu encontrei o meu lema: Eu quero, eu posso, eu consigo, porque Deus me capacita”, informa a motorista.

LIBERDADE
Há seis meses, Janaína Mendes passou a dirigir um Scania novinho, na cor pink, e transporta carga frigorificada para todo o Brasil. “A sensação é de liberdade e de independência. Me sinto realizada profissionalmente, eu amo o que faço. Para nós, mulheres, é uma conquista de espaço, e de fazer o que se tem vontade, porque somos plenamente capazes.”

ESPECIAL

Lavar peças, trocar óleo e filtro, e fazer a revisão dos caminhões são atividades rotineiras que Beatriz Rodrigues dos Santos faz com o maior carinho

Na Rede P. B. Lopes, as mulheres estão presentes em quase todos os departamentos, exercendo as mais variadas funções, e agora também marcam posição na oficina mecânica. É o caso de Beatriz Rodrigues dos Santos, 22 anos, que desde o ano passado trabalha como auxiliar de mecânico na P. B. Lopes Londrina (PR).

A empresa já planejava ter mulheres nas áreas de mecânica ou de consultoria técnica, mas a baixa quantidade de profissionais do sexo feminino na área era uma realidade. Quando a “Bia” apareceu na oficina para prestar um serviço terceirizado com o sogro, o convite para a sua contratação permanente veio em seguida.

A auxiliar de mecânico conta que o fato de ser a única mulher no setor não a constrange, nem faz com que ela tenha um tratamento diferenciado.

“A equipe sempre foi amistosa, eles me tratam de forma respeitosa e muito tranquila. Eu encaro todo trabalho que aparece e sei que se precisar os meus colegas vão me ajudar.”

Para Bia, ser mecânica é a realização de um sonho. Mas ela quer ir mais longe, pretende fazer a faculdade de Engenharia Mecânica. “Sempre gostei de caminhão, desde pequena achava lindo. Minha mãe me dá força, pergunta se eu estou feliz. Sim, eu me sinto realizada!”

ESPECIAL

Lediane Auzenir da Silva conheceu várias regiões do país a bordo de um caminhão, transportando cargas; Hoje ela exerce um cargo de liderança, chefiando uma frota de 100 veículos

O número de mulheres ocupando cargos de liderança no setor formal está aumentando no Brasil. Segundo dados do International Business Report da Grant Thornton, realizada em 2020, junto a 4.812 empresas de 32 países, o Brasil subiu da 8ª para a 3ª posição no ranking dos países pesquisados. Em 2020, as mulheres passaram a representar 39% dos executivos com poder de decisão.

Em nosso país, as mulheres em cargos de gestão estão mais concentradas nas áreas de RH (Recursos Humanos) (43%) e CFO (Diretora Financeira) (43%). Elas ocupam poucas cadeiras como CIO (Diretora de Tecnologia da Informação) (28%) ou como Diretoras Comerciais (25%). Como CEOs (Diretora Geral ou Presidente) de empresas de médio porte, elas seguem em crescimento. Segundo o relatório de 2021, as mulheres ocupavam 36% desses postos, bem acima da média global que foi de 26%.

Quem ingressou nesta estatística promissora é Lediane Auzenir da Silva, diretora de transporte da Amafil, indústria de alimentos de Cianorte (PR). Aos 40 anos, ela relembra que já foi caminhoneira, dirigiu um bitrem e transportou cargas para o Maranhão, Minas Gerais, Ceará, entre outros estados.

Agora, exerce o cargo de diretora, administrando uma frota de 100 caminhões na empresa da família.

“Estou nessa função por afinidade, eu sempre gostei de caminhão e de trabalhar na área de logística. O fato de ser mulher neste segmento é um desafio diário, porque sempre encontramos alguém que acha que não conhecemos a área por ser mulher.

CONHECIMENTO
Lediane Auzenir da Silva é formada em Direito, trabalha na Amafil desde 2009, e acredita que o maior desafio é a busca de conhecimento. “Tivemos muitas mudanças no setor, a mecânica, as tecnologias, então o desafio é diário.” Ela conta que encontrar bons motoristas tem sido um dos maiores gargalos. “Estamos passando por escassez no mercado, então temos que formar esse profissional.”

Apesar de toda sua experiência profissional, a diretora da Amafil confessa que ainda não teve a oportunidade de dirigir um Scania. “Gosto muito da marca, do conforto, da mecânica, e destaco os programas de manutenção, um serviço que nos atende muito bem.”

RESPEITO
Sempre que pode, Lediane dá uma escapadinha do escritório para ficar no meio do pessoal, no pátio, vendo a frota, conversando com os motoristas. “Quando é necessário chamar atenção, ou fazer algum ajuste, mesmo com os mais velhos, eles me ouvem, aceitam, e nunca tive dificuldade em falar com eles.”

ESPECIAL

Daniela de Andrade Lopes Gomes dedicava-se ao setor do turismo com satisfação, até que em 1997 surgiu um grande desafio: trabalhar junto com o pai, na Rede P. B. Lopes

O universo do transporte é vivenciado desde o berço por Daniela de Andrade Lopes Gomes, diretora da Rede P. B. Lopes. Seu pai, tios e avô sempre estiveram ligados ao negócio. Ela faz parte da 3ª geração da família, porém, o seu ingresso na área não ocorreu naturalmente.

“Eu atuava na área do turismo com minha mãe, negócio onde aprendi a trabalhar, onde ganhei experiência e autoconfiança. Meu pai já vinha me convidando para entrar na empresa, mas eu resistia porque estava realizada em meu empreendimento”, relembra Daniela de Andrade Lopes Gomes.

Formada em Administração de Empresas pela Universidade Estadual de Londrina, ela avalia que recebeu uma educação para ser autossuficiente e independente. “Eu nunca parei para pensar: eu sou mulher, por isso, não posso fazer tal coisa. O fato de ser mulher nunca foi uma questão para mim.”

NOVOS DESAFIOS
A ideia de deixar o turismo para ingressar na empresa da família amadureceu a partir da fundação da Rede P. B. Lopes, em 1997. “Sabia que seria um novo desafio, de trabalhar ao lado do pai, e pela grandiosidade do negócio. Tive que ter paciência e, principalmente, humildade para conhecer e me inteirar daquele novo ambiente. Foi uma transição difícil, não pelo fato de ser mulher, mas por não ter conhecimento do assunto.”

Daniela relata que precisou entender a dinâmica do negócio, mas teve espaço para agregar seu conhecimento e sua forma de se relacionar com os clientes. “Mesmo tendo a vivência dentro de casa, meu contato com a Scania se restringia aos gestores da fábrica, eu tinha pouco ou nenhuma intimidade com o mercado.”

NOVA PAIXÃO
Como tinha muita afinidade com o jeito do pai, o fundador da Rede, Pedro Barboza Lopes, empresário de grande tino comercial, que sempre prezou pelo bom relacionamento com os clientes, a filha Daniela usou essas qualidades como um norte para sua entrada nos negócios.

Quando a Rede P. B. Lopes deu início à fase de expansão para os territórios de São Paulo e Mato Grosso do Sul, Daniela se encontrou. “Me apaixonei pelo trabalho de criar uma empresa praticamente do zero. Me engajei e senti a responsabilidade, foi um caminho sem volta.”

LEGADO
A diretora da Rede P. B. Lopes reflete que está vivendo a mesma vida do pai e que antes, o avô José Lopez Lopez, também vivenciara.

“Em casa, falamos sobre Scania 24h por dia. É um projeto de vida que abraçamos, pelo qual somos apaixonados e temos orgulho. Meus filhos estão crescendo nesse ambiente. Eu tenho o privilégio de trabalhar no negócio da família, o que me permitiu levar os filhos sempre comigo desde muito pequenos, um grande facilitador para enfrentar o dia a dia do trabalho.”

PRODUTOS E SERVIÇOS

Projeto piloto da Scania-P. B. Lopes otimiza o tempo de permanência dos veículos nas oficinas

Quem trabalha com transporte sabe que caminhão parado é sinônimo de prejuízo. Neste quesito, tempo é dinheiro. Quanto mais tempo o caminhão estiver disponível, mais lucro ele poderá gerar. Sabendo disso, a Scania lançou um projeto piloto com foco na alta disponibilidade, garantindo maior eficiência nos serviços de manutenção para que o veículo retorne a operar o mais rápido possível.

A Rede P. B. Lopes foi uma das concessionárias selecionadas para participar do projeto “Disponibilidade Máxima”, cujo propósito é fazer com que os veículos fiquem o menor tempo possível dentro da oficina. “A escolha se deu por apresentarmos bons números em termos de liberação de veículos no mesmo dia, pela importância do grupo e por termos profissionais comprometidos com o sucesso dos projetos”, explica Leonardo Martins Batista, gerente de serviços da P. B. Lopes Londrina (PR).

Na busca por uma maior disponibilidade dos veículos, a Scania estabeleceu métricas para todos os serviços a serem realizados. “Temos que executar o atendimento do veículo dentro do tempo padrão (fase de produção) e mais 30 minutos para as tarefas administrativas (fase de entrada e fase de entrega). Internamente, nosso objetivo é ter 70% dos veículos com o tempo de permanência de um dia em nossa concessionária”, informa Leonardo Martins Batista.

ANÁLISE E GESTÃO
Com a chegada do projeto “Disponibilidade Máxima”, o modelo de gestão de serviços está sendo aprimorado, diminuindo ainda mais o tempo de parada dos caminhões na concessionária. “Embora sempre demos importância à liberação rápida do veículo, a implantação do projeto trouxe ferramentas para análise e gestão mais adequada dos tempos de permanência do veículo dentro da nossa oficina, assim foi mais fácil o entendimento e a implantação do conceito junto à equipe.”

O novo modelo agradou e já é possível festejar os primeiros resultados: “Fechamos o ano de 2021 com 77,74% de veículos saindo no mesmo dia e até o momento, em 2022, estamos com 83% de veículos entrando e saindo no mesmo dia”, comemora Leonardo Martins Batista, gerente de serviços da filial londrinense.

EVOLUÇÃO
Segundo o gerente geral da P. B. Lopes Londrina, Felipe Augusto Haas, com o projeto é possível solucionar em menor tempo o reparo dos veículos, minimizando o impacto financeiro para o cliente: “Estamos sempre buscando a evolução em nossas oficinas, o projeto Disponibilidade Máxima está sendo mais uma quebra de paradigmas, que reflete diretamente em benefício para nossos clientes e assim eles se sentem mais tranquilos com os agendamentos de suas cargas sem atraso, gerando maior receita.”

TUDO É ANALISADO: ENTRADA, PRODUÇÃO E ENTREGA

NEGÓCIOS

A Rede P. B. Lopes segue com mais uma parceria com a LOTS Group, empresa de logística do Grupo Scania, que tem a missão de melhorar as operações de fluxos logísticos por meio de tecnologia e inovação.

Após a bem sucedida implantação da operação pioneira no segmento sucroalcooleiro na Usina Cocal, no interior de São Paulo, a LOTS Group já opera na unidade da Indústria Suzano de Papel e Celulose, na cidade de Três Lagoas (MS), com o desafio de entregar mais madeira em menos tempo.

Para isso, a Rede P. B. Lopes implantou um CWS (Customer Workshop Service) na unidade, oferecendo um serviço dedicado sete dias por semana, das 7h às 23h45, com mão de obra capacitada, peças originais e ferramental.

“Estamos instalados em uma nova estrutura dentro da Suzano, com 04 box de atendimento e 06 containers divididos em área administrativa, estoque, salas de montagem e uma equipe com 32 colaboradores”, revela Lara Buzanelli, gerente de CWS da P. B. Lopes.



Segundo a gerente, o objetivo é proporcionar um ótimo atendimento aos 44 veículos da Suzano “de para-choque à para- choque, ou seja, cuidando dos cavalos mecânicos, manutenção das carretas e pneus. O cliente está satisfeito com o trabalho. A parceria P. B. Lopes e a Lots tende a crescer na região de Três Lagoas. Desafios são naturais em nossa atividade, mas procuramos nos atualizar e sempre entender a operação do cliente para prestar o melhor atendimento.”

SUCESSO
Para o diretor da Rede P. B. Lopes, José Henrique de Souza Gomes, a parceria Lots e P. B. Lopes se repete devido ao grande êxito alcançado na operação cana.

“É uma história de sucesso replicada na Suzano. Nosso objetivo é dar disponibilidade ao cliente na operação de madeira. O desafio da P. B. Lopes independe do segmento: seja madeira, minério, cana ou rodoviário, queremos entender as particularidades da operação para garantir disponibilidade, ou seja, atender o mais rápido possível com estoque adequado, entendendo a necessidade do cliente e a operação. Para isso, precisamos buscar e treinar o profissional para essas operações confinadas.”

SUECOS NO BRASIL
O interesse pela operação madeira, coordenadas pela Lots e P. B. Lopes na Indústria Suzano, trouxe da Suécia uma comitiva formada por diretores e executivos da Scania. Após conhecerem toda a operação no Mato Grosso do Sul, o grupo também visitou a nova planta industrial da Cocal, em Narandiba (SP), dedicada à produção de biogás.

CLIENTES . PERFIL

Com sede em Rancharia (SP), a Transportadora AP está festejando duas décadas de sucesso no atendimento a frigoríficos e caçambas. A empresa conta atualmente com uma frota de 21 veículos e 27 colaboradores.

Quem faz um balanço franco sobre essa trajetória é o empresário André Ricardo Padovan, proprietário da AP. “Foi um período de muito aprendizado, passamos por crises, mas soubemos enfrentar os problemas e saímos vencedores.”

Aos 48 anos, casado com Ana Paula e pai de André Ricardo Filho e Antonio César, André conta que os pais Antonia Fregadolli Padovan e Antonio Padovan sempre trabalharam na casa de carnes da família, além de lidar com a pecuária.

Assim que terminou o curso de Agronomia, em 1996, André foi trabalhar na região do Mato Grosso. Em 2002, voltou para a cidade natal e fundou a Transportadora AP.

Hoje, o amplo pátio da empresa, localizada nas margens da rodovia SP 284, Km 518, abriga a frota e toda infraestrutura de duas transportadoras: a AP e a Marques Roberto, que pertence ao sogro. “Mas fui eu o primeiro a colocar um Scania no nosso pátio. Em 2009, consegui adquirir o primeiro Scania Zero Km”, festeja André Padovan.


PARCERIA SAUDÁVEL
Dos 21 caminhões que integram a frota da Transportadora AP, 15 são da marca Scania. “É um produto muito bom, um caminhão que nos atende plenamente. A parceria com a P. B. Lopes é muito saudável. Sou sempre bem atendido, tanto que sou cliente do consórcio, dos planos de manutenção e do Scania Assistance. É uma tranquilidade”, celebra André Padovan.

CLIENTES . HOMENAGEM

Referência para o segmento de transporte de cargas do país, sócio do G10 e fundador da Cordiolli Transportes, o empresário Laurindo Cordiolli, 84 anos, faleceu no dia 16 de dezembro de 2021. Ele era natural do interior de São Paulo e chegou a Maringá (PR) em 1951. Casado com Antonia Laquanette Cordiolli, teve seis filhos.

A paixão de Laurindo Cordiolli pelos gigantes da estrada começou em 1977, quando fundou a Cordiolli Transportes, iniciando as atividades com apenas dois caminhões. Hoje, a empresa conta com uma frota de mais de 220 veículos e transporta cargas para todo o Brasil.

O empresário também era apaixonado por antiguidades e colecionava diversos itens, como carros antigos, bicicletas e outros objetos. Cidadão benemérito de Maringá, Laurindo Cordiolli deixou um legado de amor e dedicação ao setor de transporte.

NEGÓCIOS
Clientes atestam a rentabilidade da Nova Geração Scania

O conjunto de inovações da Nova Geração Scania está proporcionando mais economia de diesel e uma maior rentabilidade – e quem afirma são os próprios clientes. Veja o depoimento de Orlando Quagliato Neto, diretor executivo da Usina São Luiz, de Ourinhos (SP), que há 70 anos atua no setorsucroenergético.

O conjunto de inovações da Nova Geração Scania está proporcionando mais economia de diesel e uma maior rentabilidade – e quem afirma são os próprios clientes. Veja o depoimento de Orlando Quagliato Neto, diretor executivo da Usina São Luiz, de Ourinhos (SP), que há 70 anos atua no setorsucroenergético.

 
ENTREGA TÉCNICA

Receber as chaves de um Scania novinho é um momento muito especial, de pura emoção. Parabéns a todos os clientes por realizarem excelentes negócios com a Rede P. B. Lopes.


Na foto, Mauro Francisco da Silva (master driver), Gilnei Ramos de Jesus (motorista) e Edson Roberto Batista Sanches (gerente da JP - A Casa da Construção), e o vendedor Fabio dos Santos Lima da P. B. Lopes Regente Feijó (SP)

CLIQUE AQUI

VEJA MAIS FOTOS
DA ENTREGA TÉCNICA

CRÔNICAS DO SEU PEDRO

A viagem a Partaloa

Em setembro de 1987 estávamos na Suécia para visitar novamente a fábrica da Scania. Além da minha esposa, Cristina, e nossos filhos Daniela, Rodrigo e Gustavo, nos acompanhavam a cunhada, Sônia, o marido, Anízio Janene, e as filhas Cristiane e Carolina. Nessa viagem também estava Tio Roque, cunhado de Dona Amélia, minha mãe.

Na Suécia, além da Scania, conhecemos a Josam, indústria de alinhadores de eixos e chassis na cidade de Örebro, onde adquirimos alguns equipamentos, utilizados até hoje em nossas oficinas. Saindo de Estocolmo, nos deslocamos até a Dinamarca e depois para a Alemanha para rever os amigos Bernard Krone que vivia em Spelle e Heinz Dinardt em Mineshagen. De lá, retornamos de carro a Paris, onde embarcamos as crianças e Tio Roque para o Brasil.

Agora sim, daríamos início a uma nova empreitada. Uma viagem às minhas origens. Cristina e eu, acompanhados de Sônia e Anízio, tomamos o trem para Barcelona onde alugamos um carro e seguimos rumo à Costa do Mediterrâneo.

Estávamos ali para cumprir um objetivo: conhecer o lugar onde meu pai nasceu e viveu os primeiros anos de sua vida. Minha curiosidade era enorme, especialmente porque ele resistia à ideia de eu conhecer o local. Ele achava que nos decepcionaríamos com a vila onde vivera a infância.

Durante o trajeto parávamos para pernoitar em hotéis e seguíamos viagem durante o dia, para apreciar ainda mais o passeio. E assim, nossa expedição seguiu tranquilamente. A rodovia era boa e a conversa animada ajudou a percorrer os quilômetros da autoestrada no sul da Espanha. Em determinado ponto tomamos a direção rumo à província de Almeria. À medida que vencíamos o trecho, aumentava minha expectativa.

Passamos pela bela província de Murcia e percorremos mais de 200 km até chegar a Almeria. De lá, tivemos mais uma hora de viagem, passando por Fines e Albox, pequenas cidades, até chegar à aldeia de Partaloa.

O ar fresco ajudava a quebrar a aridez da paisagem. Da janela do carro podia se ver o pálido céu azul, que perfazia entre montanhas e vales pedregosos.

À distância, avistei o portal que indicava a entrada do vilarejo. Partaloa era um pueblo rústico, totalmente árido. Subimos com o carro pela única calle do povoado. As casas simples contornavam a rua vazia. Devia ser a hora da siesta, pois não havia uma viva alma no local.

– Onde vou procurar? – pensei.

De repente surge um senhor, não sei de onde, do outro lado da rua. Ele ajeita a pequena carrocinha feita de madeira. Está todo sujo, voltando do trabalho no campo. Vem pela calçadinha estreita em nossa direção. Eu o abordo:

– Olá senhor, buenas tardes. Somos do Brasil, sou filho de José Lopez Lopez, hijo de Pedro Lopez Molina e Maria Lopez Rodrigues, que partiram para o Brasil em 1920 com seus filhos. Estou aqui para conhecer Partaloa e se tenho tias vivas... Espantado, o senhor ouviu toda minha explicação e então balbuciou:

– Primo!

Surpresa e emoção tomaram conta de mim. A primeira pessoa que vi em Partaloa era justamente meu primo Pedro Moreno Reche. Em meio a lágrimas e abraços ele pediu que todos o acompanhassem.

– Vengam a mi casa.

O primo Pedro Reche cultivava hortaliças. Hoje os vales de Almeria são irrigados e a região é responsável pela produção e distribuição de frutas e hortaliças para toda a Espanha. Mas nos anos 1980, durante nossa passagem, Partaloa era um ressequido vilarejo, provido apenas por uma rua e aproximadamente 500 moradores.

A casa do primo ficava perto de onde paramos. Enquanto tomava banho e vestia roupas limpas, conversamos com sua esposa e a sogra. A sogra de Pedro Reche, assim como muitas outras mulheres da região, se vestia de preto como as viúvas da Guerra Civil Espanhola, acontecimento traumático que deixou profundas marcas no país nos anos 1930, seguido pelos difíceis tempos do caudilho Francisco Franco, ditador que estagnou o desenvolvimento e empobreceu a Espanha durante décadas.

De banho tomado, Pedro Reche nos convidou para tomarmos una cerveza no único bar de Partaloa. Seguimos a pé pela rua vazia, até chegarmos a uma portinha, que dava acesso ao bar.

O boteco era um cômodo sem janelas, com mesinhas espalhadas por todo o ambiente. As paredes eram de pedras, aliás, uma eficiente alternativa de isolamento térmico, muito utilizado nos imóveis daquela região agreste.

Ali bebemos uma boa cerveja, acompanhada de tremoço e salames artesanais. Com o tempo, o bar ficou apinhado de curiosos querendo ver os brasileiros, uma atração naquelas terras distantes.

O encontro com parentes longínquos deixou-me muito emocionado. Estava presenciando fatos e sensações que até então só conhecia através de meu pai. A conversa seguia animada, quando um homem se aproxima, me fita insistentemente e dispara:

– Pedro! O que haces aqui?

Era Miguel El Carrasco, mais um espanhol que tinha vivido no Brasil na tentativa de ter uma vida melhor. Como meu pai fora nomeado vice-cônsul da Espanha no Norte do Paraná, Miguel não saía da nossa casa. Ele tinha esperanças de que meu pai o ajudasse a voltar para a Espanha, coisa que acabou acontecendo. Demorou um pouco, mas papai conseguiu recursos para pagar a passagem e repatriá-lo.

– Olha Miguel, estou aqui para conhecer o local onde meu pai nasceu. Não o pueblo, mas a casa onde ele viveu – expliquei.

Miguel respondeu:

– Não vale a pena, Pedro. A casa não existe mais, só tem ruínas lá. É distante 5 km, num vale na encosta, lá do outro lado.

– Miguel, é melhor você me levar lá ou terei que sair procurando por aí. Eu vim aqui para isso.

Cristina mediou:

– Miguel, atenda o Pedro porque ele não vai desistir.

Vencido, Miguel concordou:

– Bueno, entonces vamos.

Saímos do bar e pegamos o carro. Fomos pelo topo da colina, seguindo pela estradinha de terra que serpenteava a região montanhosa de Partaloa. Em certo ponto, Miguel disparou:

– Pare aqui.

Desembarcamos. Assim que saiu, Miguel olhou para mim e em seguida apontou lá prá baixo. Logo adiante, na encosta da montanha, em meio à aridez da região de Almeria, um amontoado de pedras se avolumava aos pés da colina denunciando que ali, em tempos passados, havia uma casa, um lar que um dia abrigara a família Lopez Lopez. Alguns restos de paredes de pedra ainda teimavam em permanecer em pé.

– Vocês esperem aqui que eu vou descer – ordenei à Cristina, Sônia, Anízio e Miguel.

O terreno coberto de pedras soltas não me intimidou. Desci até chegar bem pertinho. Sentei em uma pedra e pude finalmente apreciar aquela imagem. Na paisagem seca, com a vegetação definhada pelo sol e o chão trincado pela falta de chuva, pude ver e entender como meu pai viveu. O cenário era desolador. Naquele momento, compreendi a resistência dele para que eu não conhecesse aquele lugar.

Mas ao invés de decepção, sentimento que meu pai temia que viesse à tona assim que eu visse o local onde ele nascera, o que senti foi um grande orgulho.

Os escombros onde outrora foram o berço de papai me fizeram compreender como aquele ambiente rústico, duro e seco, havia moldado o sólido temperamento do senhor José Lopez Lopez.

A aridez quase hostil de Partaloa fez daquele pequeno campesino um homem de valor, cuja dignidade brotou sem uma gota de chuva, regada apenas pelo sangue mouro que corria em suas veias. Foi ali, em meio às pedras, pastoreando as ovelhas, que papai obteve uma força extraordinária para vencer os obstáculos e tornar-se um homem realizado em terras brasileiras.

Não sei bem quanto tempo fiquei ali sentado naquela pedra, olhando para a encosta. Compreendi então que a viagem havia se tornado um marco em minha vida. Enxerguei claramente as minhas raízes e assimilei aquele local como o começo de tudo. O começo da minha história.

De volta a Londrina, Cristina organizou um almoço e quando papai chegou em casa mostrei as fotos da viagem. Como sempre, ele desconversou, temendo que ficássemos abalados ao conhecer sua infância pobre. Anos antes, ele havia levado minha mãe para a Espanha e ela se assustou com a falta de saneamento e a precariedade com que viviam os moradores de Partaloa.

Mas agora, mostrando as fotos, eu descrevia animadamente as maravilhas do local, de como fomos bem recebidos por parentes distantes, pelo amigo Miguel El Carrasco e, especialmente, de como a vida havia melhorado para todos naquela região.

Ao ver meu entusiasmo, os olhos de papai ficaram marejados. Foi a primeira e única vez que o vi chorar. Para mim, as lágrimas que rolavam pelo rosto dele eram a redenção aos anos duros que vivera naquela terra árida e pobre. Ele olhou bem nos meus olhos e me abraçou.

SOCIOAMBIENTAL

Rede P. B. Lopes expande o programa ambiental para o estado de São Paulo

As cidades de Salto Grande (SP) e Ourinhos (SP), no sudoeste paulista, foram contempladas com o projeto Bosque dos Ipês, programa de arborização desenvolvido pela Rede P. B. Lopes que tem o objetivo de fomentar o plantio de árvores e criar espaços verdes, beneficiando toda comunidade.

Em Salto Grande, a ação foi realizada no dia 10 de fevereiro, no Parque Ecológico, onde são desenvolvidas atividades de educação ambiental, esporte e turismo ecológico. Lá foram plantadas 75 mudas de ipês de várias cores. O evento contou com a presença de autoridades, estudantes, além de diretores e funcionários da concessionária.

OURINHOS
Em Ourinhos, o local escolhido para receber o Bosque dos Ipês foi a praça situada na entrada do aeroporto. No dia 11 de fevereiro, representantes da prefeitura se uniram à diretoria e funcionários da P. B. Lopes e fizeram o plantio de 65 mudas de ipês, revitalizando a área.

“Agradecemos a parceria com as prefeituras de Salto Grande e Ourinhos, para nós é uma honra realizar esse trabalho em conjunto para o desenvolvimento das cidades”, conta Daniela de Andrade Lopes Gomes, diretora da Rede P. B. Lopes. “Acreditamos que esta ação, com a participação de crianças, deixa sementes que irão contribuir para a preservação do meio ambiente e para um futuro melhor para todos”.

AÇÃO SOCIOAMBIENTAL
O projeto Bosque dos Ipês foi lançado em setembro de 2021, em comemoração ao Dia da Árvore, e faz parte do programa de responsabilidade socioambiental Ipê Amarelo, da Rede P. B. Lopes. A iniciativa é realizada em parceria com empresas, instituições e prefeituras. O primeiro Bosque foi criado na GTFoods, de Maringá (PR), onde foram plantadas 50 mudas.

No dia 03 de fevereiro, foi a vez da cidade de Bela Vista do Paraíso (PR), na região de Londrina, receber o projeto. O plantio de 20 mudas de ipês ocorreu em parceria com a empresa Fabrin Transportes. Todas as mudas foram cultivadas nos viveiros da concessionária e distribuídas gratuitamente.

PLANTIO DE ÁRVORES
O incentivo a ações sustentáveis sempre foi um dos pilares da filosofia da Rede P. B. Lopes. O plantio de árvores vem sendo realizado desde a época do fundador da empresa, Pedro Barboza Lopes, que tinha um lema: plantar uma muda para cada caminhão vendido. Desde 2008, já foram plantadas ou distribuídas mais de 30 mil mudas.

Criação do Bosque dos Ipês em Salto Grande



Bosque dos Ipês em Ourinhos

SOCIOAMBIENTAL

A campanha para arrecadar tampinhas de plástico promovida pela Rede P. B. Lopes está a todo vapor, com participação ativa de colaboradores, familiares, clientes e amigos. A iniciativa está focada em reduzir o impacto do plástico no meio ambiente e ao mesmo tempo está beneficiando diretamente quatro entidades assistenciais que ajudam os menos favorecidos.

Na P. B. Lopes Londrina (PR), o projeto começou em dezembro de 2020. O conteúdo arrecadado é destinado ao Projeto Ninho, que atende gestantes carentes, fornecendo às mães um kit para os bebês com banheira, mamadeira, roupas etc. A primeira remessa, com aproximadamente 500 kg de tampinhas, foi feita em setembro de 2021. Em fevereiro desse ano, foi enviado o segundo lote, com 90 kg, totalizando 590 kg.

São vários pontos de coleta: na filial e matriz da empresa, na UBS do Jardim Alvorada, no Salão Gente Bonita Torre Montello e na Equoterapia Pocotó (Parque Gov. Ney Braga). “É uma excelente campanha, que busca ajudar os mais necessitados e ao mesmo tempo cuidamos do meio ambiente. O Projeto Ninho ajuda mães grávidas que não tem condições de comprar o enxoval do seu bebê”, informa Gláucia de Oliveira Geromel, gerente financeira da P. B. Lopes Londrina.

MARINGÁ
O material coletado pelos colaboradores da P. B. Lopes Maringá (PR) é destinado ao Projeto Tampinha Solidária, de Curitiba, mantido pela Associação das Acácias da Emiliano Perneta (AAEP). O objetivo da ONG é obter recursos com a comercialização das tampinhas para adquirir fraldas geriátricas e depois destiná-las a lares de idosos carentes, previamente selecionados e registrados.

Já foram enviadas várias remessas para Curitiba, com o apoio da empresa Rumo Logística, parceira na campanha: a primeira foi em dezembro de 2020 e a última em janeiro de 2022, totalizando até agora 52 kg de tampinhas. São dois pontos de coleta em Maringá, um no refeitório e um na sala do gerente. A campanha está mobilizando muita gente, dentro e fora da concessionária.

“Tem funcionário que criou um ponto de arrecadação no condomínio dele e ele traz essa arrecadação periodicamente. Percebemos também que a adesão está sendo muito boa quando identificamos diferentes tipos de tampas plásticas, de embalagens que não usamos aqui. E isso que é legal da campanha, todos participam, se mobilizam, e mobilizam outras pessoas, pois é fácil de juntar, é versátil, ajuda o meio ambiente e o próximo”, explica Patrícia Peres Sartori Belmonte, assistente comercial da P. B. Lopes Maringá.

SALTO GRANDE
Na P. B. Lopes Salto Grande (SP) os colaboradores começaram a juntar as tampinhas de plástico em abril de 2021. O ponto de coleta está localizado na área da entrega técnica dos caminhões e até agora já foram coletados 8 kg.

O material foi doado no dia 21 de fevereiro à Apae de Ourinhos (SP), entidade filantrópica que presta atendimento às pessoas com deficiência mental, autismo e famílias. A Apae vai repassar a doação ao Projeto Tampinha Legal, programa socioambiental da indústria de transformação do plástico que recebe, vende e depois destina os recursos para as entidades.

REGENTE FEIJÓ
Na P. B. Lopes Regente Feijó, a campanha já contabiliza 200 kg de tampinhas plásticas, que foram doados à Sabesp, Companhia de Saneamento de São Paulo, que comercializa o material e depois repassa os valores ao Hospital de Esperança de Presidente Prudente (SP). O hospital utiliza os recursos para adquirir suplementos alimentícios, destinados aos pacientes com câncer.

“A arrecadação foi realizada na filial com a participação dos colaboradores, porém tivemos uma imensa ajuda da nossa colaboradora Valéria Cristina de Lima Medeiros, que convidou os fiéis da Igreja Adventista da Promessa, da cidade de Maracaí (SP) e dos fiéis da Igreja Adventista da Promessa, de Presidente Prudente (SP) para participar da ação”, conta Eliana de Souza, encarregada administrativa da P. B. Lopes Regente Feijó.

CULTURA

A Rede P. B. Lopes sempre colaborou com as atividades artísticas, culturais e educativas de seu território. Com o programa P. B. Lopes Cultural, a empresa patrocina projetos e também fomenta ações no ambiente de trabalho.

Através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, a Rede P. B. Lopes está auxiliando quatro importantes projetos culturais de Londrina e Maringá, que contribuem de forma significativa para a formação do cidadão e o desenvolvimento da sociedade: a Banda Marcelino Champagnat, o Festival de Corais Unicanto, o Plantão Sorriso e o Projeto Florescer, de Maringá.

Fundada em 1969, a BANDA MARCIAL MARCELINO CHAMPAGNAT é Patrimônio Cultural de Londrina. Através da música, a banda promove a cidadania entre os alunos do colégio, além de levar ritmo e melodia para toda a comunidade.

Com 27 anos de atividade, o FESTIVAL DE CORAIS UNICANTO é um evento anual que reúne coros do Brasil e de vários países, com uma programação dedicada ao canto em grupo. A P. B. Lopes também apoiou a apresentação do Coral Unicanto no evento em comemoração aos 70 anos da Paróquia Imaculada Conceição e Jubileu de Prata – 25 anos – do Santuário de Nossa Senhora Aparecida.

O PLANTÃO SORRISO é uma organização que leva a alegria do palhaço para as crianças internadas em enfermarias de seis hospitais de Londrina. Com 25 anos de atividade, o projeto já beneficiou 600 mil pessoas e recebeu, em 2015, a Medalha Ouro Verde da Câmara de Vereadores.

O PROJETO FLORESCER é um programa social que atende crianças e adolescentes em situação de risco ou vulnerabilidade social no contraturno da escola. As atividades buscam a formação do indivíduo em sua totalidade. A iniciativa foi criada em Maringá (PR) em 2002, a partir do desejo de Raul Anselmo Randon, presidente das Empresas Randon, de fazer algo na área da educação para crianças e adolescentes.

PROJETOS CONSOLIDADOS
Para a diretora da Rede P. B. Lopes, Daniela de Andrade Lopes Gomes, o envolvimento com a arte e a culturaé uma prática de longa data e sempre esteve presente na empresa desde o tempo do fundador, Sr. Pedro Barboza Lopes.

“Sempre que podemos colaborar, buscamos projetos que acreditamos, como é o caso dessas quatro iniciativas. São projetos sérios, comandados por pessoas muito lutadoras que têm um propósito muito claro de levar arte, lazer, entretenimento, formação e alegria para o cidadão. A P. B. Lopes não poderia deixar de investir e devolver para a comunidade, assim como fazemos com o nosso programa Ipê Amarelo.”

CAMPANHAS

A Campanha de Vendas Superação, criada para alavancar as metas de comercialização de peças e serviços, vem sendo realizada com grande motivação na matriz e nas filiais da Rede P. B. Lopes. O formato bem sucedido estimula os colaboradores a superar metas e sempre traz resultados acima da média.

“A Superação oferece prêmios e dinheiro, mas para isso é preciso atingir os nossos KPIs (indicadores de desempenho) e agora agregamos os KPIs que a Scania analisa”, explica o gerente de serviços da Rede P. B. Lopes, Fernando Rodrigues.

METAS APURADAS EM 21
Rodrigues comenta que a campanha realizada no ano passado teve um começo tímido, mas com superação de metas no 2º semestre. “Campanha foi muito boa e conseguimos superar os objetivos em 5% da meta traçada com todas as casas pontuando. Em janeiro de 2022, todos os funcionários, do vigia ao gerente, todos receberam bônus, porque todos ajudam e têm tem sua parcela de participação nas vendas.”

PRÊMIOS, MOTOS E CARRO EM 22
A Campanha Superação 2022 começou com muito foco, afinal além de cumprir os KPIs, neste ano haverá a Superação Plus com muitos prêmios por trimestre e surpresas até o fim do ano. “É um conjunto de metas para atingir, mas todo trimestre teremos prêmios. Se superarmos os números, ao final do semestre cada casa poderá ganhar uma moto e no final do ano poderemos sortear um carro”, incentiva Fernando.

O gerente de vendas informa que serão realizadas palestras motivacionais, para colocar todo o time em um clima de otimismo. “Em janeiro já ficamos muito perto do Plus. Todos já acumularam e já estão de olho no carro. Estamos animados, porque neste ano teremos o retorno de eventos e encontros com clientes, uma agenda para ajudar nas vendas.”

PREMIAÇÃO

Uma concessionária com elevado padrão de qualidade e atendimento. É o que indica o Top Dealer, programa de excelência e governança criado pela Scania com o objetivo de trabalhar o foco na sustentabilidade e longevidade do negócio.

“O Top Dealer mensura, desenvolve e remunera o negócio Scania de acordo com a performance identificada como Bronze, Prata e Ouro”, explica Marcos Rogério Afonso, coordenador do programa da P. B. Lopes. “No programa são verificados dezenas de indicadores de desempenho em todos os ambientes: no atendimento ao cliente, market share de vendas, valorização da marca, treinamentos internos, entre outros, e cada indicador tem uma pontuação mínima e máxima.”

Marcos Rogério conta que desde 2018, quando começaram a participar do Top Dealer, todas as filiais da Rede P. B. Lopes se classificaram e receberam bonificações da Scania. “Além de contribuir economicamente com a empresa, esse programa também tem ajudado a melhorar nossos processos para atingirmos a melhor classificação, melhor governança, eficiência e desempenho.”

FORMAÇÃO

Colaboradores da Rede P. B. Lopes passam periodicamente por cursos de atualização; atividades fazem parte do programa de formação e retenção de talentos

A Rede P. B. Lopes sempre investiu na capacitação de sua equipe, como uma forma de ajudar seus profissionais a desenvolverem habilidades e competências que serão úteis em suas rotinas de trabalho. Dando sequência ao ciclo de treinamentos, foi realizada em Londrina (PR) uma entrega técnica mais detalhada dirigida aos colaboradores, focada em instruir e esclarecer detalhes sobre o caminhão da Nova Geração Scania.

Participaram do treinamento o diretor José Henrique de Souza Gomes, gerentes, líderes de equipe, vendedores, consultores técnicos, mecânicos, funileiros e pintores. O master driver Sérgio Luiz André Gonçalves apresentou a parte teórica da entrega técnica e na sequência fez a demonstração prática das funções de todos os componentes do caminhão.

“A Scania está constantemente evoluindo e aprimorando seus veículos, por isso o objetivo dessa atividade foi treinar e tirar as dúvidas dos colaboradores”, explica Sérgio Luiz André Gonçalves. “O maior interesse foi sobre as novas tecnologias embarcadas e as evoluções em relação ao modelo anterior, o ajuste da suspensão feito pelo motorista através dos controles e seus benefícios, conectividades, aerodinâmica da cabine e as programações feitas no painel”.


ESCOLA DE MECÂNICOS
Outro programa que a Rede P. B. Lopes oferece é a Escola de Mecânicos, um projeto de iniciação para os novos técnicos e de atualização para os que já estão na empresa. As atividades ocorrem há cerca de quatro anos e são abertas a todos os colaboradores. É uma iniciativa da concessionária, realizada em parceria com a Scania.

Segundo o responsável pelos cursos, Alberico Ferreira de Araújo, para tornar-se um profissional competente é necessário de 3 a 5 anos de formação.

“Um bom técnico é capaz de fazer diagnóstico mais preciso e assertivo, evitando trocas desnecessárias de peças ao executar uma manutenção. Além do treinamento, o bom profissional precisa se dedicar. Quanto mais ele estudar o veículo, melhor técnico se tornará. A dedicação é fundamental para esse processo”, conclui Alberico de Araújo.

GENTE

O colaborador da Rede P. B. Lopes, José Carlos Sarri, conhecido carinhosamente como “Pombinho”, foi entrevistado pelo Blog do Caminhoneiro, um dos principais portais de notícias do transporte do Brasil, sobre o trabalho de restauração de veículos históricos realizado pela concessionária. O blog tem 30 mil acessos diários e é comandado por Rafael Toporowicz.

Pombinho explicou que os caminhões são desmontados e todas as peças avaliadas para saber se serão reutilizadas ou substituídas. Muitos dos serviços, como funilaria, restauração de peças, forrações e tapeçaria precisam ser feitos manualmente, para ficar o mais próximo do original possível.

“Além das informações técnicas, possuímos histórico de alguns carros, como no caso do nosso acervo que são quatro caminhões: um Scania Vabis L71, 1954; um Scania Vabis L71, 1956; um Scania Vabis L75, 1960; e um Scania LS100 tanque, 1973.

Todos com placa preta, atendendo critérios rigorosos de originalidade. Na oficina, temos mais dois em processo de restauração: um caminhão L111 e outro L76 maçarico, com a famosa cabine João de barro”, explicou Pombinho.

A iniciativa de dar sobrevida a estas relíquias, restaurando caminhões que muitas vezes estavam abandonados e enferrujados pelo tempo, nasceu com o Sr. Pedro Barboza Lopes, fundador da Rede P. B. Lopes, um apaixonado pela Scania e por veículos antigos.

CLIQUE AQUI

VEJA A MATÉRIA

SOCIAL

Um presente especial

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, a Rede P. B. Lopes presenteou as 77 mulheres de todas as filiais com um lindo boné cor-de-rosa e um cartão carinhoso pela data. Foi um dia especial, com direito a sessão de fotos, muitos abraços e festa.


Enfim, casados!

A pandemia adiou o sonho do casamento duas vezes, mas finalmente no dia 13 de novembro de 2021, Mariana Rebouças, supervisora fiscal da P. B. Lopes Campo Grande (MS) e Bruno Ramos casaram durante bela cerimônia com muitos convidados. Desejamos muitas felicidades ao casal!

Bodas de algodão
A colaboradora Vanessa Moretto, que trabalha no financeiro da P. B. Lopes Maringá (PR), acaba de comemorar o 2º ano de casamento ao lado de Fabiano Martins Geraldino. Na foto, os noivos durante o enlace, realizado em 1º de fevereiro de 2020. Muito amor nessa vida!

Nascimento do filho
Lucca Martins Batista chegou ao mundo muito lindo e saudável no dia 16 de dezembro, enchendo de alegria a casa de Carla e Leonardo Batista, gerente de serviços da P. B. Lopes Londrina (PR). Quem também gostou da chegada do Lucca foi a irmãzinha, Isabella. Parabéns Leo, a família está completa!

Nascimento da neta
Neta de gatão é gatinha? É o caso da Clara, uma menina muito fofa que nasceu no dia 11 de dezembro de 2021, a mais nova netinha de José Carlos Forne, o Gatão, gerente de consórcios da Rede P. B. Lopes. Na foto, a pequena Clara está com os pais Thalita Rodrigues Forne e Fábio Luís Forne.

Dia 08 de março

No Dia Internacional da Mulher, a secretária da P. B. Lopes Regente Feijó (SP), Valéria Cristina de Lima Medeiros, nos brindou com um poema. Inspire-se!


Menina mulher, mulher adulta
Menina moça, mulher formada
Mulher leiga, mulher culta
Mulher solteira, mulher casada
Mulher ingênua, mulher astuta
Mulheres, mulher, por todos honrada.

Mulher na política, mulher na história
Mulher empresária, mulher esportista
Mulher na ciência, com dias de glória
Mulher que lidera, existe uma lista
Mulher na bíblia, que trajetória
Mulheres lindas, tenho uma lista.

Mulheres santas, referência sagrada
Mulheres que oram, joelhos no chão
Mulher virtuosa, tão procurada
Quem achará? perguntou Salomão
Eis as mulheres, santas, separadas
O meu abraço de coração.
Mulher esposa, mulher filha
Mulher mãe, o meu amor
Mulher presente, grande família
Te guarde sempre o nosso Senhor!


A todas as incríveis mulheres da P. B. Lopes, os meus parabéns!


AGRO

A Fazenda Dona Amélia, de propriedade da família Lopes, está situada em Nova Andradina (MS) e se dedica à criação de gado do tipo exportação

De olho no melhor resultado para os negócios e para o melhoramento genético do plantel, a Fazenda Dona Amélia tem investido nos últimos seis anos em bezerras super precoces, visando a diminuição da idade da primeira prenhez desses animais.

“Fazemos o desafio da precocidade sexual em bezerras entre 12 e 14 meses para que entrem em período fértil e possam fazer o acasalamento dirigido na estação de monta”, explica o veterinário da fazenda, Carlos Vergílio Miiller Alves.

Trata-se de um trabalho realizado desde o nascimento das bezerras. Assim que nascem e até o 7º mês, os animais ficam ao pé da mãe, onde é ofertada uma ração balanceada com suplementos, ao lado do cocho da mãe. “Depois disso, elas passam aproximadamente quatro meses com outra dieta nutricional que inclui suplementos, pastagens de qualidade, oferta de água, entre outros. É um conjunto de fatores para que ela atinja 270 Kg de peso vivo.”

Entre 12 e 14 meses, os técnicos fazem a indução da puberdade do animal para que o aparelho reprodutor se forme e ela possa ser inseminada. “Com esse trabalho, estamos conseguindo emprenhar o nosso plantel um ano mais cedo. Nesses 6 anos de trabalho aumentamos o percentual de prenhez de 60 para 80%, um resultado excelente”, comemora o veterinário.

Carlos Vergílio reforça que esse trabalho é resultado de muito planejamento e faz parte do programa de melhoramento genético através da CIA de Melhoramento (assunto abordado na última edição).

RECEITA DA CASA

Se você é fã das delícias feitas de milho, não deixe de conferir essa receita. Além de saborosa, ela é prática e bem fácil de fazer, sendo que o grande aliado é o liquidificador. Quem dá a dica é a Gislaine Martos de Oliveira, auxiliar de faturamento da filial Campo Grande (MS). Ela conta que o Bolo de Milho de Lata faz o maior sucesso no café da tarde do pessoal da concessionária.

INGREDIENTES
1 lata de milho (já escorrido)
1 lata de leite (medida da lata de milho)
1 lata de açúcar (medida da lata de milho)
1 lata de flocão de milho (fubá)
½ lata de óleo de soja
3 ovos inteiros
1 colher de margarina
1 lata de farinha de trigo (medida da lata de milho)
1 colher de fermento Pó Royal
Obs: Se quiser dar uma incrementada, acrescente coco ralado


MODO DE PREPARO
Bata todos os ingredientes no liquidificador
Unte e enfarinhe a forma
Despeje a massa na forma
Leve ao forno (pré-aquecido a 180 graus)
Asse por aproximadamente 40 minutos
Espere esfriar e sirva


DIVERSÃO

MÚSICA

CD PLANETA FOME
Artista: Elza Soares
Gravadora: Elza Soares
Gravadora: DECK
“Planeta Fome” é o 34º álbum de estúdio da cantora Elza Soares, que faleceu em janeiro deste ano, aos 91 anos, deixando um grande legado musical. O nome do CD não é por acaso. A cantora contou na época a história por trás do título do álbum, que remete ao dia em que a artista cantou para o público pela primeira vez, aos 13 anos, no programa “Calouros em Desfile”, na Super Rádio Tupi. Eleita a melhor cantora brasileira do milênio pela BBC de Londres em 1999, a brasileira começou a cantar para tentar salvar a vida do seu filho mais velho, João Carlos. Antes de partir, Elza Soares deixou gravado um disco ao vivo e um DVD que devem ser lançados no segundo semestre deste ano.
Ouça Elza Soares:


FILME

NÃO OLHE PARA CIMA
Direção: Adam McKay
Elenco: Leonardo DiCaprio, Jennifer Lawrence, Meryl Streep
Duração: 2h 22m
O filme conta a história de dois astrônomos, Randall Mindy (Leonardo DiCaprio) e Kate Dibiasky (Jennifer Lawrence), que fazem a descoberta surpreendente de um cometa que está em rota de colisão direta com a Terra. Com a ajuda do doutor Oglethorpe (Rob Morgan), Kate e Randall embarcam em um tour pela mídia que os leva ao escritório da Presidente Orlean (Meryl Streep) e de seu filho, Jason (Jonah Hill). Só que ninguém parece dar bola. Com apenas seis meses antes do impacto, gerenciar o ciclo de notícias e ganhar a atenção do público obcecado pelas mídias sociais, antes que seja tarde demais, se mostra chocantemente cômico. Ninguém quer acreditar neles ou muito menos dar notícias tristes para o mundo.
Assista ao trailer:


LIVRO

O DESAFIO DA LIDERANÇA
Autor: James M. Kouzes e Barry Z. Posner
Editora: Alta Books
Páginas: 504
"O Desafio da Liderança" tornou-se o padrão-ouro de como se tornar um líder exemplar. Com um bom arcabouço teórico e escrito por James M. Kouzes e Barry Z. Posner, as principais autoridades na área, este guia essencial vendeu mais de 2,5 milhões de cópias e foi traduzido para mais de 20 idiomas. Pautada na complexa dinâmica interpessoal de mobilizar os outros para alcançar aspirações comuns, o best-seller detalha práticas que os indivíduos devem aprender e relações que devem cultivar para cativar os colaboradores e criar ambientes de trabalho excelentes.
*Disponível para retirada na Biblioteca Pedro Barboza Lopes.

MINISSÉRIE

PASSAPORTE PARA A LIBERDADE
Criação: Mário Teixeira
Direção: Jayme Monjardim
Elenco: Sophie Charlotte, Rodrigo Lombardi, Tarcísio Filho
Capítulos: 8
"Passaporte para Liberdade” mergulha na história real de Aracy de Carvalho (Sophie Charlotte), uma mulher forte, determinada e, acima de tudo, justa. Funcionária do Consulado Brasileiro em Hamburgo, sem qualquer proteção ou imunidade diplomática, Aracy contornava regras, enfrentando os governos alemão e brasileiro, para conseguir emitir vistos e ajudar judeus a imigrarem e sobreviverem nas Américas. Gravada 100% em inglês, a obra é a primeira produção internacional da Globo em parceria com a Sony Pictures Televison e reúne talentos do Brasil e do mundo — incluindo alemães, italianos, poloneses e israelenses.
Assista ao trailer:


EXPEDIENTE

Revista PBNews - Edição Digital
37ª edição – março 2022


Direção Geral - P. B. Lopes & Cia. Ltda.

Conselho Editorial - Daniela de Andrade Lopes Gomes - Emilia Miyazaki - Cezar Castilho - Milton Antunes

Produção - Doc Comunicação

Jornalista Responsável - Emilia Miyazaki - Mtb 2868 emilia@doclondrina.com.br

Edição e redação - Milton Antunes – Mtb 2018 miltonantuneslondrina@gmail.com

Fotografia - Acervo Rede P. B. Lopes, Cleverson Santos, Everton de Bastiani Damaceno, Marcelo Hora, Wanderley Tolomi

Solução digital (pocket®) e projeto gráfico - Visualitá® Gestão em Design Estratégico

Contato - P. B. Lopes & Cia Ltda - Av. Brasília, 3.126 - Londrina – PR • Telefones (43) 4009.0780 | 3329.0780 • daniela.lopes@pblopes.com.br - marketing@pblopes.com.br
www.pblopes.com.br

A Revista PBNews - Edição digital é uma publicação da P. B. Lopes

P. B. LOPES | SCANIA

LONDRINA – PR
(43) 4009 0780 • Av. Brasília, 3126 • CEP 86025-180
MARINGÁ – PR
(44) 3228 5757 • Av. Colombo, 674 • CEP 87045–000
MARINGÁ – PR (Posto de Serviço)
(44) 3246 3304
Rod. PR 317, 4652, Km 03 • CEP 87035-510
CAMPO GRANDE – MS
(67) 3326 5080 • Rua Elza da Silva Gatass, 48 • CEP 79018-805
DOURADOS – MS
(67) 3424 0015 • Rua Marginal Leste, 11415, Chácara Castelo II • CEP 79835-000
LADÁRIO – MS
(67) 3234 6400
Rod. BR 359, Km 516,7 • CEP 79370-000
SALTO GRANDE – SP
(14) 3378 4115
Rod. Raposo Tavares, Km 386 • CEP 19920-000
REGENTE FEIJÓ - SP
(18) 3941 1030
Rod. Raposo Tavares, km 559 - Distrito Espigão • CEP 19570-000